Quinta-feira, 16 de Janeiro de 2014

Filhos

Serei eu, ou será que todos os pais passam por isso ao vê-los crescer.

Num dia temos umas crianças que se aninham no nosso colo, que procuram os nossos mimos e no outro temos adolescentes que evitam mostrar afectos em público. Num dia temos bebés indefesos, noutro jovens à procura do seu espaço. Deixamos de nos preocupar com fraldas, leite, arranhões e medos, e passamos a preocupar com frustrações, crises existenciais e medos.

Faço por não perder nada do crescimento deles, por não perder nenhuma actividade, estar o mais possível presente, tentar ajudar, orientar e colocar betadine nas feridas da alma.

Todos os dias temos dúvidas se a educação que lhes damos é a melhor, todos os dias somos postos à prova.

Sei que nem sempre tomo as melhores decisões, mas sei que faço o melhor.

O resultado  não saberei hoje, saberei daqui a uns anos, e já não faltam muitos, quando forem adultos.

Acredito que o exemplo que tiverem dos seus pais durante o seu crescimento os moldará para o futuro, seja ele para fazer o bem ou o mal, estarem presentes ou ausentes.

Não quero que sejam como eu, mas que pelo menos que tenham a força de lutar pelo que desejam e acreditam, que não desistam, que não atropelem ninguém no processo de luta, que sejam justos, que procurem a vitória, respeitem quem perde, e aceitem as suas derrotas como incentivo de fazer melhor na próxima. Que cresçam com força, objectivos e valores.

tags: ,
publicado por eu ando às voltas às 18:40
link do post | comentar | favorito
|
16 comentários:
De golimix a 16 de Janeiro de 2014 às 19:07
Difícil educar... queremos a perfeição que não existe.


De eu ando às voltas a 16 de Janeiro de 2014 às 19:33
Vê-los entrar na adolescência faz-me pensar se eduquei bem e apesar de estar preparado para abrir a porta da gaiola sinto saudades de quando eram pequenos. 


De golimix a 16 de Janeiro de 2014 às 19:40
E eu...


De eu ando às voltas a 16 de Janeiro de 2014 às 20:11
É um processo natural do nosso e do crescimento deles.


De Raquel a 16 de Janeiro de 2014 às 21:59
O importante é estarmos sempre atentos.
Mas acredito que a adolescência de hoje é bem diferente daquela que nós tivemos , daí ser muito complicado conseguirmos saber se estamos a educar bem ou não.
Ainda continuo a acreditar que o nosso exemplo de pais vale muito.
Por isso, se és bom pai, bom filho terás.
:)


De eu ando às voltas a 16 de Janeiro de 2014 às 22:14
Também acredito nisso,  mas a resposta só se terá mais à frente.  É verdade que apesar de uns deslizes não me posso queixar deles.
A adolescência deles é diferente da nossa,  tal como a nossa foi da dos nossos pais e isso sempre aumentou a dificuldade em fazer o trabalho de pai.


De libel a 18 de Janeiro de 2014 às 00:54
Filhos...criados, trabalhos dobrados. Não existe fórmula, nem manual. Existe sim, a nossa entrega incondicional, onde nela cabem todos os ensinamentos, valores e princípios que defendemos em prol de um mundo melhor e da felicidade dos nossos filhos.


Beijinhos


De eu ando às voltas a 18 de Janeiro de 2014 às 10:13
A questão ainda não são os trabalhos dobrados, estou é na fase em que, estando eles a entrar na adolescência pensar que adultos serão. Como disse, é resposta que só irei ter daqui a uns anos.
E claro, confesso as saudades deles como bebés e crianças.


De libel a 18 de Janeiro de 2014 às 11:19
Percebo o teu ponto de vista. Mas tudo tem o seu tempo. Não adianta fazer planos, nem escrever por linhas direitas, no que toca aos filhos, é sempre uma "agradável" surpresa, sai tudo ao contrário. Aproveita todas as fases, esta da adolescência tem o seu quê de pertinente, mas ainda assim..., consegues apertar o cerco. A parte dos trabalhos dobrados ainda não chegou. E tens razão para sentir saudades deles bébés e crianças, aí sim, o nosso super poder de protecção era controlado apenas por nós. É a fase em que apesar do sono não estar em dia, o coração bate tranquilo. Beijinhos


De eu ando às voltas a 18 de Janeiro de 2014 às 11:25
Revejo-me neles naquela idade, o querer conquistar o espaço, e o que me "assusta"  é que me revejo no meu pai naquela nas mesmas situações.
Dei por mim hoje a acordá-los às 10 e 30 e a lembrar o que irritava quando o meu pai fazia isso.


De libel a 18 de Janeiro de 2014 às 11:34
Não tens que ser uma cópia do teu pai, mas sim, uma identidade própria e única para os teus filhos. Eles vão sempre gostar de ti, mesmo que os acordes ás 10h30 ou ao meio-dia, o mais importante é a forma como o fazes, e com a qual te identificas.


Bjs


De eu ando às voltas a 18 de Janeiro de 2014 às 11:39
Não se trata de ser cópia, mas de perceber o porquê de não deixar ficar mais na cama.
Cada um tem a sua identidade, mas lá está, valores que me foram incutidos ao longo do meu crescimento acompanham-me agora, e assim espero que consiga incutir-lhes também.


Bjs


De libel a 18 de Janeiro de 2014 às 11:53
Consegues incutir desde que acredites nesses valores por ti mesmo, sejam válidos nos tempos atuais e se coadunam com a personalidade dos teus filhos. Por vezes aquilo que nos foi incutido pelos nossos pais, nem sempre funciona nas mentalidades, prioridades, objetivos e formas d viver atuais, que os filhos abraçam. É claro, que o nosso papel é orientar, ensinar, educar e principalmente proteger. Mas, devemos conversar e compreender os seus motivos, para podermos impor  limites  dentro do razoável para as duas partes.


De eu ando às voltas a 18 de Janeiro de 2014 às 12:01
Claro que nem tudo o que me foi transmitido se consegue transmitir para os tempos actuais, tudo tem a sua evolução e adaptação, sempre foi assim e sempre assim será. Mas as bases e os valores terão de existir e essa é a nossa função.
Claro que limites terão de existir, e a porta vai-se abrindo aos poucos, para que se possam ir habituando a mais liberdade, responsabilidade, e não ficarem deslumbrados e perderem-se na ilusão de algo que ainda não conseguem dominar, a vida.


De libel a 18 de Janeiro de 2014 às 12:12
Tenho a certeza que és um excelente pai, medos e receios relacionados com a educação dos nossos filhos e principalmente com o seu futuro irão sempre existir.
A tarefa principal de formar caráter e afetividade não é só do pai, mas sim de toda a família. Tem que ser um todo, e não apenas uma parte. Os filhos seguem exemplos, fixam os modelos, por isso é importante que exista coerência familiar.


Beijinhos pá, agora deixa lá os miúdos dormir mais um bocado ao fim de semana  ..ehehehhe 


De eu ando às voltas a 18 de Janeiro de 2014 às 12:15
Claro que não é só do pai essa função, felizmente essa coesão existe. Mas a incerteza do futuro existe sempre.
Mas eu deixei dormir mais que o normal. ;)


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. Põe gelo que isso passa

. E por hoje é tudo

. Os pais fazem sexo

. Vamos fazer um exercício

. Esta época começa estranh...

. Piano Man

. Dizem que a terra tremeu

. Moça Esquiva

. Alexis Tsipras no 5 para ...

. Garantidamente não é para...

.arquivos

. Março 2016

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

.tags

. todas as tags

.favorito

. Sms...."Bom dia"

.links

Online Users

.Quantos já marcharam aqui

blogs SAPO

.subscrever feeds